Você está visualizando atualmente A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES

A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES

Durante o desenvolvimento do Modelo de Jogo, os treinadores devem entender qual estrutura de base melhor se adapta aos diferentes princípios e sub-princípios que desejam aplicar à sua equipe. Embora seja verdade que não existe uma estrutura de jogo perfeita, cada uma tem seus prós e contras dependendo da organização espacial básica dos jogadores em campo.

Nesta temporada na Premier League, os treinadores estão usando uma infinidade de estruturas diferentes. No entanto, a estrutura de base mais usada pela maioria é a G-5-3-2. Equipes como Chelsea, Wolverhampton ou o surpreendente Brentford, vêm tendo um ótimo desempenho com a utilização de 5 defensores na fase defensiva.

Nós da MBP School of Coaches propusemo-nos a analisar estas equipes, estudando as vantagens e desvantagens proporcionadas por um sistema com uma linha defensiva de 5 jogadores. Durante esta análise, apresentaremos também quais tipos de fundamentos de jogo são mais utilizados nas diferentes ações do jogo pelas equipes que utilizam esta estrutura de base.

FASE DEFENSIVA

Incluir outro jogador na linha defensiva pode proporcionar estabilidade extra quando a equipe está na fase defensiva. Quando um zagueiro central decide reduzir o espaço à frente de uma desmarcação de apoio do atacante, existem certas situações em que uma estrutura defensiva de quatro zagueiros pode ser ameaçada, já que um intervalo interlinear que pode ser utilizado pode ser gerado através de uma desmarcação no espaço pelo rival. Ao utilizar uma estrutura de cinco defensores, a aplicação do fundamento “reduzir o espaço diante de possível recepção em apoio”  não acarreta tanto risco.

Por exemplo, o Chelsea por ter um zagueiro adicional à maioria, possibilita que esses façam uma defesa mais ousada por parte de seus defensores. Como mostram as imagens frente ao Arsenal, por ter mais um jogador na linha defensiva, Azpilicueta pode saltar para diminuir a possível recepção do rival.

FOTO1 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

FOTO2 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

Além disso, ter um zagueiro adicional na linha defensiva também proporciona maior solvência na defesa dos cruzamentos. Ao ter mais um jogador na área, o zagueiro do lado ativo poderá aplicar o fundamento individual de «O zagueiro do lado onde se encontra a bola deve defender a primeira trave  caso não tenha a quem marcar».

Brighton e Leeds em seus confrontos contra o Burnley usaram o fundamento anterior com grande sucesso. Diante de equipes que tenham como  princípio de jogo, na zona de finalização, a realização de cruzamentos e que também ataquem a área com dois ou mais atacantes, a inclusão de um defensor adicional será vital, pois permitirá uma melhor marcação dos jogadores que ameaçam a área, e ao mesmo tempo, ter um jogador livre aplicando o fundamento.

FOTO3 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

Embora a ocupação do espaço com uma estrutura de 5 defensores ofereça vários benefícios, também há certos aspectos a serem considerados. Uma estrutura ofensiva por parte da equipe rival onde os seus extremos se situam em posições muito avançadas fixadas em largura e profundidade, irá restringir a mobilidade da linha defensiva.

Em estruturas defensivas como o G-5-3-2, devido à falta de ocupação de espaço nas áreas de campo por jogadores que cobrem a amplitude defensiva da equipe, pode causar problemas a equipes que mantêm muito seus alas em posições avançadas.

Por exemplo, no jogo entre Chelsea e Manchester City, a equipe do Manchester fez um excelente trabalho ofensivo prendendo o ala do Chelsea com o extreme, e forçando-o a saltar  no lateral. Com isso, os meninos de Pep conseguiram liberar espaço no corredor central que mais tarde seria ocupada pelo homem livre.

FOTO4 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

FOTO5 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

FOTO6 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

Diante desse tipo de situação, várias equipes têm tentado resolver esse problema. Por exemplo, os laterais de Brentford pressionam o lado oposto quando entra na zona 2 ou zona 3. Para isso executam o fundamento individual do extreme: «Defender pressionando o lateral dentro do corredor«.

Quando esse comportamento ocorre por parte da extremo, seus companheiros de linha defensiva devem se coordenar para reorganizar a linha defensiva, além de tomar referências defensivas diferentes das anteriores.

Da mesma forma, este comportamento defensivo implica uma maior exigência na aplicação da linha defensiva do fundamento “Manter o equilíbrio da linha defensiva em largura”. No exemplo mostrado(fotos), o o zagueiro Ajer não se moveu corretamente, deixando grandes intervalos interlineares dentro da linha defensiva.

FOTO7 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

FOTO8 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

FASE OFENSIVA

Para a maioria das equipes que usam uma linha de 3 zagueiros da linha de construção, a ocupação espacial do primeiro terço do campo oferece muitos benefícios. A localização dos 3 zagueiros nessa linha ajuda a oferecer um maior número de linhas de passe para seus companheiros de equipe localizados na frente, muitas vezes criando triângulos e losangos.

Equipes como o Chelsea, usando um estilo de jogo associativo, com muitas conexões, tornam mais fácil para a equipe jogar através do conceito do ‘terceiro homem’. Jorginho, jogador que costuma atuar como número 5 no meio de campo da equipe londrina, em muitas ocasiões é o elo para que o Chelsea encontre o homem livre.

FOTO9 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

FOTO10 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

FOTO11 A ESTRUTURA DEFENSIVA DE 5 JOGADORES MBP School of coaches

Embora a superioridade numérica +1 seja eficaz quando uma equipe enfrenta uma linha de pressão de 2 jogadores, quando jogada contra uma estrutura com apenas 1 atacante pela equipe adversária, pode levar a desvantagens de sobrecarga numérica.

Ter um jogador adicional nesta linha do campo de jogo afeta diretamente o resto das linhas, eliminando a opção de passar para frente. Por ter um jogador em posições menos avançadas, isso pode tornar a posse de bola mais previsível, potencialmente fazendo com que a posse circule por longos períodos em forma de U.

Além disso, se a equipe tiver um goleiro que seja capaz de fazer passes curtos e longos com os pés, ele poderá exercer a mesma função do zagueiro, o que tornará sua atuação nesta fase do jogo menos necessária.

Uma solução para esse problema é a aplicação do fundamento por parte do zagueiro  “Fixar o oponente para gerar superioridades numéricas”. A aplicação deste FIP provocará uma liberação do homem livre em alturas posteriores, o que acarretará em muitas ocasiões, situações de superioridade numérica ou espacial.

CONCLUSÃO

Como treinador, entender os prós e os contras do sistema de jogo de nossa equipe é fundamental. Analisando em profundidade a estrutura de base G-5-3-2 em comparação com outros tipos de estruturas, ficamos cientes das situações mais comuns que os jogadores irão enfrentar e devem resolver por meio dos fundamentos do jogo.

No curso de Mestrado em Alto Desempenho, o treinador pode aprofundar-se nestes fundamentos, enquanto aprende o processo de escolha do fundamentos para o seu próprio modelo de jogo, a forma a treiná-lo e desenvolvê-lo.

Deixe um comentário